CIÊNCIA ANIMAL!

Alexandre Rossi apresenta pesquisa em encontro da APDT nos EUA

por Equipe de Comunicação
|
Compartilhe:

É comum que os tutores estabeleçam laços bem fortes com os pets, deixando, inclusive, que seus cães permaneçam dentro de casa e até mesmo durmam em seus quartos durante a noite.

Entretanto, a ideia mais comum entre as pessoas é de que quando os tutores dormem próximos de seus animais de estimação, principalmente com eles dentro do quarto, eles acabam apresentando mais problemas comportamentais.

Sabemos que expressar tais comportamentos, especialmente aqueles mais comuns, como a ansiedade de separação e a agressividade, são fatores que estão diretamente relacionados ao abandono e até mesmo à eutanásia de cães.

Com base nessa realidade, a equipe de especialistas do Alexandre Rossi investiu na questão para avaliar se, de fato, há relação entre a proximidade de cães e seus tutores enquanto dormem próximos à noite, com a frequência ou aparecimento de sintomas de ansiedade de separação e de agressividade nesses pets.

Coleta de dados

Para conduzir a pesquisa, foram utilizados os dados coletados a partir de um questionário que incluiu, entre várias questões, perguntas sobre onde o cão permanecia à noite enquanto o tutor dormia, ou seja, se era fora ou dentro de casa, ou dentro do quarto.

O questionário também incluiu perguntas sobre a frequência com que os pets destruíam objetos da casa, latiam demais ou faziam necessidades em locais indesejados quando deixados sozinhos - sintomas esses de ansiedade de separação. Também foi perguntada a frequência com que os cães latiam, rosnavam ou mordiam pessoas.

Esse questionário foi disponibilizado na página do Facebook da Estopinha, de forma que os tutores que costumam acessá-la tiveram a oportunidade de participar espontaneamente da pesquisa. Com isso, mais de 60 mil pessoas responderam ao questionário, o que forneceu ao time uma boa base para sustentar os primeiros resultados da pesquisa.

Com os retornos obtidos até o momento, o especialista verificou que os comportamentos indicativos de ansiedade de separação e de agressividade nos cães estão realmente relacionados à proximidade entre eles e seus tutores, enquanto dormem.

Entretanto, contrariando o senso comum, no geral os cães que dormem ao menos dentro de casa exibem com menos frequência alguns dos principais sintomas de ansiedade de separação (destruir objetos da casa, latir muito quando ficam sozinhos e manter ameaças agressivas).

A destruição de objetos, quando o cão é deixado sozinho, aparentemente ainda é menos frequente quando eles permanecem no quarto, e não apenas dentro de casa durante à noite.

Estudos futuros poderão esclarecer melhor as possíveis causas dessas associações e a razão de serem diferentes para o comportamento dos cães que fazem necessidades em locais inadequados quando são deixados sozinhos em casa (que também é um dos sintomas de ansiedade de separação) e de morder as pessoas, o que representa uma agressão mais direta dos animais.

Além disso, é muito importante lembrar que essa pesquisa ainda está em desenvolvimento, sendo que, no momento, os profissionais estão preparando uma publicação em uma revista científica internacional de credibilidade. Por enquanto, as descobertas devem ser consideradas com muita cautela, pois os dados ainda não estão cientificamente publicados e podem sofrer alterações.

Encontre por tipo de Mídia:


Live nas mídias sociais da Veja SP

https://www.facebook.com/vejasp/videos/10156808...

Veja a live que Alexandre Rossi participou nas mídias da Veja SP, tirando algumas das dúvidas mais frequentes dos tutores.

Alexandre dá dicas sobre animais ansiosos

https://www.facebook.com/Alexandreprossi/videos...

Assista a live que o especialista preparou para tirar dúvidas de tutores.

Como contar os anos de vida de cães e gatos

vejasp.abril.com.br...

Sabemos que a expectativa de vida dos pets não acompanha a dos humanos. Será que é possível fazer uma previsão?

SE VOCÊ É UM DONO: FESTEIRO

FESTAS...

Mantém a casa sempre movimentada? A melhor saída é buscar cães de companhia, mais tranquilos e menos territorialistas, como o golden retriever, o labrador, o spitz alemão, o maltês, o shih tzu, o west highland white terrier e o lhasa apso.

Pets e crianças com necessidades especiais

Alexandre Rossi conta os benefícios que os animais trazem para a vida de uma criança especial.

Como adotar um cão?

Adotar um animal é um ato de amor e compaixão, mas que precisa ser bem pensado. Descubra mais com Alexandre Rossi.

Como estimular os gatos a beberem mais água?

O Dr. Pet explica a importância da água para os felinos e dá dicas para estimular a sua ingestão.

Pets que ajudam na educação das crianças

Deixar que as crianças realizem tarefas relacionadas ao bichinho de estimação pode ser uma ótima ideia para ensiná-los a ter responsabilidade.

Campanha reforça a presença do veterinário no núcleo de apoio à saúde familiar

O CRMV criou a campanha “Saúde é uma só” com o intuito de incluir o médico veterinário em ações de prevenção à saúde voltadas às famílias.

Como e quando usar recompensas para treinar cães e gatos?

Entenda a importância do reforço positivo para a boa convivência do pet com a família!

O melhor tipo de tosa para o seu cachorro

Conheça mais sobre recorte e tintura canina e saiba que cuidados ter na hora da tosa.

SE VOCÊ É UM DONO: COM CRIANÇAS

O mais recomendado é buscar cães dóceis e de grande porte, que aguentem brincadeiras mais brutas, como o bull terrier, por exemplo, que é um cachorro forte, mas extremamente dócil com crianças.

Alexandre para revista Contigo: adestrar para melhorar a convivência no lar

https://contigo.uol.com.br/

Veja a coluna da Cãotigo de agosto.

SE VOCÊ É UM DONO: AVENTUREIRO

AVENTUREIRO

Algumas raças indicadas são o border collie, o beagle, o labrador e o golden retriever.

SE VOCÊ É UM DONO: AGITADO

AGITADO

Vale procurar raças mais independentes, como o akita, o husky siberiano, o chow-chow e o pug.

SE VOCÊ É UM DONO: CARENTE

CARENTE

o labrador, cocker e o yorkshire adoram um cafuné e trocam tudo para deitar nos pés de seus tutores.