COMPORTAMENTO

Cães e gatos são inimigos?

por Equipe de Comunicação
|
Compartilhe:

A imagem de cães perseguindo gatos foi eternizada em quadrinhos, desenhos animados e no cinema. E muita gente tem dúvidas se existe uma inimizade natural entre essas duas espécies.

Mas a questão não diz respeito a inimizade: cachorros se sentem motivados a caçar gatos (alguns mais do que outros), pois se trata de um comportamento instintivo, eles sentem prazer em agir assim. Já o gato se vê como presa: ou congela (fica imóvel) ou sai correndo em disparada, e no momento em que foge acaba estimulando a maioria dos cães a caçá-los. E se for mais rápido e ágil, consegue subir em uma árvore ou se esconder em algum lugar e acaba se livrando do ataque.

Portanto, não se trata de uma “guerra”, mas sim de comportamentos instintivos apresentados por cada uma das espécies.

Sociabilização

Quando sociabilizamos gatos com cães (especialmente até os 2 meses de vida) pode acontecer de gato não ter medo de cachorro em situação nenhuma, o que pode colocá-lo em risco durante a sua vida.

Há felinos que não veem risco nenhum na presença de cachorros, não demonstrando medo nem comportamento de fuga. Por um lado, é algo positivo, pois ele não tende a sair correndo e a estimular o cão a caçar. Mas, por outro lado, se não protegemos gatos assim dos cães, os felinos correm o risco de ser atacados. Portanto, é importante que um certo medo ainda ocorra, já que é uma emoção essencial para a sobrevivência da maioria dos animais.

Já a sociabilização de filhotes de cães com gatos (até os 3 meses de idade) ajuda bastante para que convivam bem com a outra espécie durante a vida, uma vez que foram habituados ao convívio com eles desde muito novos.

Mas e se são adultos?

Em alguns casos, pessoas adotam um cão e já têm um gato em casa (ou vice-versa) e a convivência pode se tornar difícil por conta do instinto de caça da espécie.

Para o treino de adaptação do cachorro com o gato sem ataques deve-se criar um ambiente onde o felino fique tranquilo, pois esse treino pode demorar e é importante que ele relaxe em algum local quando não estiver em situação de treinamento.

É essencial controlar o estímulo: o gato deve estar mais distante, em uma caixa de transporte que já esteja acostumado, para que fique bem à vontade. Para saber se ele está confortável, verifique se está comendo, se tem apetite e se está brincando. Se ficar muito apavorado, o estímulo está alto, muito perto, então é preciso recuar.

Da mesma forma com o cão: se a distância em que o gato está não permite que ele foque em outra coisa que não o gato, está muito perto. Ele precisa conseguir comer, brincar e, de vez em quando, observar o gato.

Neste momento, pode-se associar com o NÃO, mostrando limite, onde ele não pode ficar com olhar fixo para o gato, que geralmente antecede um bote. Controlando esse comportamento é mais fácil antecipar a atitude do cachorro.

Quando notamos que já é possível controlar as reações do cão e o gato está confortável, começamos a aumentar os estímulos, deixando o gato sair para caminhar fora da caixa, sempre com muito cuidado. Depois, estimule o felino a se mover de um lugar para outro com pessoas se mexendo, pois tudo pode ser estímulo para o cão caçar. Lembre-se de sempre controlar o cão na guia nesses treinos.

É importante testar todas as situações, garantindo a segurança geral, sempre deixando os animais relaxarem. Ao final de cada sessão de treinamento, coloque o gato em um local protegido novamente.

Quando percebemos que não existe mais nenhum estímulo que faça o cão querer atacar o gato, aí é o momento de poder descansar e deixá-los juntos, sempre dependendo da evolução dos treinos e da reação que os animais apresentam.

Por Alexandre Rossi, zootecnista, especialista em comportamento animal e sócio-fundador da Cão Cidadão.

Fonte: Veja SP.

Encontre por tipo de Mídia:


Live nas mídias sociais da Veja SP

https://www.facebook.com/vejasp/videos/10156808...

Veja a live que Alexandre Rossi participou nas mídias da Veja SP, tirando algumas das dúvidas mais frequentes dos tutores.

Alexandre dá dicas sobre animais ansiosos

https://www.facebook.com/Alexandreprossi/videos...

Assista a live que o especialista preparou para tirar dúvidas de tutores.

Como contar os anos de vida de cães e gatos

vejasp.abril.com.br...

Sabemos que a expectativa de vida dos pets não acompanha a dos humanos. Será que é possível fazer uma previsão?

SE VOCÊ É UM DONO: FESTEIRO

FESTAS...

Mantém a casa sempre movimentada? A melhor saída é buscar cães de companhia, mais tranquilos e menos territorialistas, como o golden retriever, o labrador, o spitz alemão, o maltês, o shih tzu, o west highland white terrier e o lhasa apso.

Pets e crianças com necessidades especiais

Alexandre Rossi conta os benefícios que os animais trazem para a vida de uma criança especial.

Como adotar um cão?

Adotar um animal é um ato de amor e compaixão, mas que precisa ser bem pensado. Descubra mais com Alexandre Rossi.

Como estimular os gatos a beberem mais água?

O Dr. Pet explica a importância da água para os felinos e dá dicas para estimular a sua ingestão.

Pets que ajudam na educação das crianças

Deixar que as crianças realizem tarefas relacionadas ao bichinho de estimação pode ser uma ótima ideia para ensiná-los a ter responsabilidade.

Alexandre e Estopinha no programa Rock a 3

Ouça a entrevista do especialista na rádio Kiss FM.

Campanha reforça a presença do veterinário no núcleo de apoio à saúde familiar

O CRMV criou a campanha “Saúde é uma só” com o intuito de incluir o médico veterinário em ações de prevenção à saúde voltadas às famílias.

Como e quando usar recompensas para treinar cães e gatos?

Entenda a importância do reforço positivo para a boa convivência do pet com a família!

O melhor tipo de tosa para o seu cachorro

Conheça mais sobre recorte e tintura canina e saiba que cuidados ter na hora da tosa.

Alexandre para revista Contigo: adestrar para melhorar a convivência no lar

https://contigo.uol.com.br/

Veja a coluna da Cãotigo de agosto.

SE VOCÊ É UM DONO: AVENTUREIRO

AVENTUREIRO

Algumas raças indicadas são o border collie, o beagle, o labrador e o golden retriever.

SE VOCÊ É UM DONO: AGITADO

AGITADO

Vale procurar raças mais independentes, como o akita, o husky siberiano, o chow-chow e o pug.

SE VOCÊ É UM DONO: CARENTE

CARENTE

o labrador, cocker e o yorkshire adoram um cafuné e trocam tudo para deitar nos pés de seus tutores.